Nova cobrança na taxa de iluminação começa a vigorar no mês que vem

Valores escalonados privilegiam quem consome menos

Maiores prejudicados serão os empresários que consomem mais

Entra em vigor a partir de novembro os novos valores na taxa de cobrança da iluminação pública de Vinhedo. A cobrança virá embutida na conta de energia elétrica do vinhedense e tem a finalidade específica de subsidiar melhorias na rede de iluminação pública da cidade, uma das maiores reclamações do vinhedense.

A taxa já existe desde 2017, o que foi aprovado no final de julho pela Câmara foi a atualização dos valores, com novas faixas de cobrança que variam entre zero a R$ 150, sendo esta última destinada as instalações industriais.

Segundo a justificativa da municipalidade, a arrecadação com a taxa atual que incide sobre a conta de luz do vinhedense, não é suficiente para cobrir os custos com o serviço na cidade. Em junho, por exemplo, foram computados R$ 265 mil, sendo que somente o custo com a iluminação ficou em torno de R$ 277 mil, ou seja, trazendo prejuízos ao cofre público, além de inviabilizar investimentos e a modernização do sistema.

Com a mudança, a Prefeitura prevê arrecadar R$ 650 mil ao mês, um superávit de cerca de  R$ 380 mil, recursos que serão empregados, por exemplo, na implantação de LED em toda a cidade, cujo custo com a energia é bem menor e a eficiência muito maior.

Da forma como está, a taxa mensal varia de R$ 4 a R$ 16, considerando as categorias residencial, rural, comercial e industrial, não levando em conta o consumo. Com a nova taxa, instalações residenciais que consomem entre 0 a 300 kw/h vão continuar pagando o mesmo valor, já as outras faixas pagarão a mais, de acordo com o consumo.

Os maiores prejudicados serão os empresários que consomem mais, no caso da taxa 8, que é a de maior consumo (maior que 1.000 kw/h), que vão passar a pagar R$ 150 em vez dos atuais R$ 16. A cidade possui atualmente 10,8 mil pontos de energia, sendo aproximadamente 31 mil consumidores.