Auxiliares de Educação paralisam atividades e fazem ato no Centro

Cerca de 250 profissionais aderiram à manifestação

Auxiliares de Educação Infantil realizam na manhã desta quarta-feira, 23, uma paralisação na região central da cidade que atingiu, pelo menos, seis centros de educação infantil na totalidade que ficaram fechados no período matutino.

Os profissionais reivindicam a valorização e a inclusão da categoria no Plano de Magistério da Educação da rede municipal. Eles também reivindicam uma reunião com o prefeito Jaime Cruz (PSDB) desde o dia 30 de setembro, mas até o momento não foram atendidos.
O manifesto foi pacífico e teve início às 8h30 com passeata em frente à Secretaria de Educação, subiu pela Avenida Benedito Storani até chegar em frente da Prefeitura na Rua Humberto Pescarini. O trânsito foi fechado temporariamente, mas já está com o fluxo normal.

Como não foram atendidos por nenhum representante da Prefeitura, os auxiliares foram para a Praça de Sant’Anna, onde ficam até às 13h. No local, reproduzem atividades em sala de aula, realizam ginástica laboral e conversam com a população.
Segundo a auxiliar de educação Simone Lima, a categoria se manterá organizada e vai decidir em assembleia se entram em greve nos próximos dias. “Já fizemos o atraso na jornada de duas horas, agora a paralisação de um dia e o próximo passo é decidir se haverá ou não greve. A Secretaria de Educação emitiu uma nota intimidadora falando que nossa paralisação é ilegal, mas ela está ferindo o Art. 5º da Constituição que é o direito à greve. Exigimos que o prefeito nos atenda”, reivindica.

Outro lado
Em nota a Prefeitura disse que só terá o balanço das escolas que ficaram com as atividades prejudicadas no final do dia “A Prefeitura já avançou, e muito, na defesa do trabalho dos Auxiliares de Educação Infantil, por exemplo, com a redução da carga horária, de 8 para 6 horas, sem prejuízo de vencimentos e, hoje, entre salário e benefícios, nossos auxiliares recebem cerca de R$ 2.600,00. A solicitação que as Auxiliares de Educação Infantil pedem no momento, no entanto, está além do que a Prefeitura pode atender, sempre tendo a legislação como parâmetro. A Administração Municipal reafirma a importância do diálogo, e tem dialogado, mas as crianças e os pais vinhedenses não podem ser prejudicados”, escreveu.

Outras informações sobre a paralisação dos Auxiliares de Educação Infantil você confere na edição impressa do JV.