Zooparque Itatiba registra nascimento inédito de arara-azul

Pela primeira vez, casal mantido sob cuidados na instituição registra sucesso reprodutivo

Três filhotes de arara-azul (Anodorhynchus hyacinthinus) nasceram no Zooparque Itatiba. É a primeira vez que a espécie se reproduz na instituição. Os filhotes nasceram de incubação artificial nos dias 23, 25 e 26 de outubro, no setor de maternidade do zoológico, e foram mantidos sob os cuidados da cuidadora de animais Paula Fabiana Martins e de uma equipe devidamente capacitada e experiente com o manejo neonatal dessa espécie.

“É importante frisar que a retirada dos ovos do ninho para realizar os cuidados artificiais, tais como incubação e alimentação manual, foi uma estratégia técnica visando aumentar a taxa de sucesso, sendo que com os cuidados artificiais a taxa de sucesso é de 90%, enquanto que nos cuidados naturais, nas quais os cuidados são restritos aos pais, é de somente 20% a 30%”, ressalta Robert Kooij, diretor do Zooparque Itatiba.

O Zooparque Itatiba possui dois casais de arara-azul em seu plantel. O casal formado pelos pais dos filhotes está junto há cerca de três anos. “Para a alegria da instituição, estes primeiros ovos estavam férteis e deram origem a três filhotes muito saudáveis”, comemorou Camila Piovani, bióloga responsável pelo Zooparque. Todos os cuidados com o casal, desde alimentação, manejo e monitoramento comportamental durante o período reprodutivo foram realizados pelo cuidador de animais Gerson Donizete Martins, com mais 20 anos de experiência com reprodução de psitacídeos. O zoo ainda não tem a sexagem dos filhotes, que poderá ser confirmada somente através de análise de DNA.

A arara-azul costuma fazer a postura de um a três ovos, que são incubados por cerca 27 a 30 dias, sendo que geralmente apenas um sobrevive. O filhote permanece no ninho em média por 107 dias. Após a sair do ninho, os jovens continuam dependendo dos pais para fornecer sua alimentação, eles se tornam totalmente dependentes após o primeiro ano de vida. Devido a esses fatores, a arara-azul faz apenas uma postura por ano, ou conforme determinadas condições, apenas a cada dois anos.

Vivem em casais, grupos familiares ou pequenos bandos, sendo difícil encontrá-las sozinhas na natureza. Estas aves medem até 1 metro de comprimento e pesam em média 1,3 quilos, sendo a maior espécie de arara do mundo.

MAIS SOBRE A ARARA-AZUL

A arara-azul-grande, ou simplesmente arara-azul, pode ser encontrada nos biomas Pantanal, Amazônia e Cerrado. Na região do Pantanal, elas gostam de fazer ninhos no topo de árvores altas chamadas manduvi. Esta espécie de árvore abriga cerca de 90% dos ninhos destas aves, que a escolhem principalmente pelo fato de possuir cerne mole, ideal para as araras confeccionarem seus ninhos. No entanto, o desmatamento e as queimadas do Pantanal destroem muitas destas árvores, prejudicando a reprodução destes animais.

A destruição do habitat relacionada à caça ilegal e a baixa taxa de natalidade fez com que o número de araras na natureza diminuísse drasticamente nas últimas décadas, tornando essa espécie ameaçada de extinção. Devido à importância de conservar esta ave, pesquisadoras e ambientalistas resolveram criar projetos e outras alternativas para reverter esta situação. O principal deles é o Projeto Arara Azul, que trabalha com o monitoramento e a recuperação de ninhos, acompanhamento dos filhotes e atividades de educação ambiental com as comunidades. Devido a este projeto, o número de araras-azuis no Pantanal subiu desde o final da década de 90, aumentando de 1.500 para 5.000. Por conta destes projetos, hoje a arara-azul já é considerada como “quase ameaçada”.

´”O sucesso na reprodução desta ave sob cuidados humanos mostra como o Zooparque está preocupado com o futuro desta ameaçada espécie e cumpre seu papel na conservação da fauna brasileira”, complementa Robert Kooij.

SOBRE O ZOOPARQUE

Com 500 mil metros quadrados de área verde, sendo grande parte inserida em um fragmento de Mata Atlântica, o Zooparque Itatiba é considerado um dos maiores e mais conceituados zoológicos do país. São mais de 1.200 animais, de 180 espécies, tanto nativas como exóticas, dispostos ao longo de uma trilha de 3km em meio à natureza. Em 2020 o Zooparque inaugurou sua nova atração “Viagem pela Evolução e Biodiversidade do Mundo”. Este projeto ambicioso conta com uma estrutura de 2.400 m², sendo considerado um dos maiores museus de história natural da América Latina. Este novo centro de aprendizagem tem como missão promover o conhecimento sobre a origem da vida, evolução, biodiversidade e impactos ambientais das mudanças climáticas. O zoo conta também com um núcleo de educação ambiental que desenvolve o ensino e a conscientização sobre a importância do respeito ao meio ambiente com os visitantes, escolas e grupos. A instituição participa de inúmeros projetos de pesquisas e conservação em parcerias com universidades e institutos.